Menu

Menu II

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

Super Pesquisa: GRÉCIA RESTAURADA - Qual era o aspecto da Grécia nos séculos IV e V antes de Cristo?

A Grécia possui uma das histórias mais fascinantes do mundo. Não poderia ser menos, afinal, em sua história encontramos um povo que deu origem à cultura ocidental ao inventar a cidadania, a democracia, a  filosofia, a geometria e o teatro.
No entanto, o que permaneceu dos tempos antigos, sobretudo dos séculos IV e V são ruínas e histórias... Qual era o aspecto da Grécia desse período?

O SUPER HISTÓRIA te convida a soltar a sua imaginação nas imagens da Grécia Atual e Antiga.


ACRÓPOLE DE ATENAS


A Acrópole de Atenas, o chamado "rochedo sagrado", é o mais importante sítio arqueológico da Grécia e está situado no topo de uma colina, no centro da moderna cidade de Atenas. A Acrópole de Atenas possui três templos de mármore, o Parténon, o Erecteu e o Templo de Niki. Também possui um pórtico monumental chamado Propileu. Todos os monumentos na Acrópole de Atenas foram construídos durante a época áurea de Péricles, conhecida como o Período Clássico (450-330 a C).


PROPILEUS E TEMPLO DE NIKÉ


O Propileus (ou Propylaea) foi concebido para proporcionar uma entrada monumental ao centro religioso da cidade de Atenas, a Acrópole. Este pórtico gigantesco foi projetado e concebido por Mnésicles (arquiteto do século V a. C.), entre 437 e 432 a. C.
Nike significa "Vitória" em Grego e Atena era a deusa grega da vitória. O Templo a ela dedicado (Templo de Atena Niké) se localiza ainda hoje na Acrópole de Atenas.
Seu templo era em estilo jônico antigo e se localizava na parte sudeste da Acrópole, à direita da entrada. Lá, os cidadãos adoravam a deusa na esperança de que ela os ajudasse na longa guerra contra Esparta. O Templo de Atena Niké era a expressão máxima da ambição de Atenas de se tornar a pólis mais importante no Peloponeso.


PÁRTENON


O Parténon consagrava culto à Deusa Atena, protectora da Cidade-Estado de Atenas. Foi construído pelos arquitectos Iktinos e Kallikrates, sob a supervisão do escultor ateniense Fídias. Também existiam duas estátuas colossais da Deusa Atena, esculpidas por Fídias. Uma destas estátuas encontrava-se no interior do Templo do Parténon. Era esculpida em ouro e marfim e tinha uma altura de 9 metros. A outra estátua colossal, esculpida em bronze, encontrava-se no exterior.



TEATRO DE DIONÍSIO


O Teatro de Dioniso foi o mais importante dos teatros da Grécia antiga, é considerado o berço do teatro ocidental e da tragédia. Situa-se na encosta sul da Acrópole de Atenas.
Seu nome é devido a Dioniso, deus do vinho.
Foi lá que foram apresentadas as célebres tragédias clássicas de Ésquilo, Sófocles e Eurípedes.
O teatro fazia parte do santuário de Dioniso, que se estendia ao sul da Acrópole, e foi construido no século V a.C.. No princípio tinha apenas um local para a orquestra, em terra batida, um palco construído em madeira e os espectadores se acomodavam nas encostas naturais do terreno. Em 410 a.C. foram construídas arquibancadas em madeira.
A construção em pedra, que ainda podemos admirar hoje em dia, é de cerca de 330 a.C. Arquibancadas de pedra substituíram as de madeira, uma cena e uma orquestra de mármore foram acrescentadas.



ODEÃO DE HERODES ÁTICO


O Odeão de Herodes Ático é um antigo teatro localizado na vertente sul da Acrópole de Atenas, na Grécia. Foi construído por Herodes Ático, de importante família ateniense, para comemorar a memória de sua falecida esposa Regilia. As obras começaram possivelmente em torno de 174 a.C.
O Odeão podia receber até 5 mil espectadores. O vão da platéia (koilo) tem 76 m de diâmetro, e foi escavado na rocha da colina. Os assentos eram de mármore branco, divididos em duas seções por um corredor. A orquestra tem 19 m de diâmetro, e o cenário, de três níveis, chegava a 28 m de altura, com diversas prótases (pórticos em projeção) com colunas, e nichos para estatuária, sendo ladeado por escadarias, e com uma galeria (metaskenio) voltada para o exterior, revestida de mosaicos, detalhe repetido na decoração das entradas.


ÁGORA DE CORINTO


Corinto foi uma das mais florescentes cidades gregas da antiguidade clássica, tendo sido autônoma e soberana durante o período arcaico da história da Grécia. Desde aqueles tempos, Corinto experimentou um notável desenvolvimento comercial devido à sua localização, o que trouxe benefícios sobre as artes (os seus famosos vasos de cerâmica) e a cultura de um modo geral, bem como a acumulação de riquezas pela aristocracia local. Contudo, no final dessa fase áurea, a pólis foi governada por um tirano denominado Cípselo, provavelmente entre 657 a.C. e 625 a.C., quando iniciou-se um curto período de expansionismo em que foram fundadas colônias no noroeste da Grécia.
Entre as ruínas da cidade antiga, objeto de minuciosos estudos arqueológicos, destacam-se o templo de Apolo, a Ágora (praça) e as muralhas da cidadela de Acrocorinto.


THOLOS DE EPIDAURO


O Tholos de Epidauro é uma das obras mais representativas da arquitetura grega do século IV a.C.
Esta estrutura é circular, no Santuário de Epidauro, mais ou menos no centro sul do templo de Asclépio, deus da medicina a quem é dedicado ao santuário. Era um lugar visitado pelo doente, esperando com uma série de rituais, curar suas doenças, ou levando oferendas ao deus.
A realização do Tholos começou por volta de 360 a.C. e levou para completar cerca de dez anos, até 350 a.C. foi o trabalho de Polykleitos famoso arquiteto de Argos, que também projetou o Teatro de Epidauro , e que provavelmente foi o neto do escultor Polykleitos.





Dados e imagens extraídos de:

"A Grécia Antiga: os famosos monumentos passado e presente". Roma: Edições Muses (versão portuguesa).

Postar um comentário